quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Dispersão


Dispersão






No dicionário, ato ou efeito de dispersar!

Mas para os olhos sobre a peça ficam inválidas estas definições.

Então!...

Dispersão: Aproximação,

junção,

beleza que aprisiona olhares.



Maria Izabel

                  Trio




Do toque artesão nasce a trilogia ou trindade - espaços criados à mão.

Força e beleza!



Maria Izabel

Rodopio


          Não sei
Se foi o vento, ou uma brisa...

que te girou e assim criou.

Ou simples gestos de menina

abrindo espaços pra muita flor...



            Maria Izabel

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Uccello Dell`Alba

L’Addio all’Uccello dell’Alba




Além da luz

oblíquo vulto traça

o arco inesperado

a trajetória inconsútil

sutil

mente



Jogo de espelhos

ato de magia

a dama vermelha recorrente desafia

a entropia



Mais rápida que os olhos

a forma cresce

desvanece

s

na curva do horizonte



Arrasta

força irresistível

cada partícula de aurora

cada fragmento

vento

evento



Na recessão das galáxias

todo limite asfixia

o passo

no espaço



Pássaro,

passará


                        Sergio Castro Neves

Porta cartões

Diluição




Aquele amor uma aquarela. Delicadas transparências em perfeita justaposição. Tela fluída em manchas tonalizadas. Suaves espaços em branco. Silêncio. Para aquela aquarela luz e sombra. Momentos de “quinta justa”. Mas fluiu tanto, que ultrapassou a moldura, tingiu paredes, chão, terra e se evadiu de mim. Para esta saudade um teatro mambembe onde crio velhas personagens e sinto antiga emoção.



maria izabel

Toques

Toque




Sempre me encantou a palavra. Alguém percebeu, brincou: - Você morre pela boca! Morro.

E morria mesmo. Mas, por palavras perfeitas, completas, onde a boca se movimenta inteira, com lábios, língua e dentes. Foi essa totalidade que me envolveu, frases e toques. Palavras, que afinal ficaram, vazias, esgotadas, esquecidas. Mas a sensação do toque, ah, esse ficou e ainda me arrepia.



                                                      maria izabel







   
               

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Construção

CONSTRUÇÃO




Uma página completa de barras decorativas!

Ficava horas desenhando as simétricas. Gostava! Não havia dificuldade alguma. Um quadro se repetindo após outro, sempre igual. Era só manter a proporção entre eles.



Mais fácil que isso só História: Os segredos revelados de Assírios e Caldeus, Egípcios e Judeus, Gregos, Troianos, Persas e Romanos. Pareciam velhos amigos, de quem tudo se sabe. Quadros sinóticos para estabelecer e gravar a época áurea de cada um deles. Assim como algumas outras, Literatura também era fácil. A dificuldade aparecia nas Exatas: Geometria, um desastre; Matemática, uma tragédia. Física e Química, tabus proibidos, impenetráveis.



Um dia a festa acabou e um papel certificou que havíamos feito, e bem feito, a nossa lição. O diploma coroou o esforço, que não foi muito. O alicerce estava pronto. Era a hora, portanto, de completar a construção da vida.



Repassando as lembranças, me dou conta de que, na existência, prevaleceram, sim, as barras. Só que assimétricas!



Pétalas, quase pó, de um mal-me-quer, marcavam a página amarelada.



Mário (28/01/2010)

Semente


Estações






Semente.



Fruta madura.



Recomeço?



maria izabel

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Desencontro

Desencontro




Pois eu só caminhava sem destino

pelo prazer em si do movimento

que faz o gosto de qualquer menino

(eu era quase menino, nesse tempo)



Na mesma rua você vinha, e eu não sabia

mas vinha com pressa, a olhar as horas

e os astros nos deram, no meio do dia

um desses momentos que nada demoram



O acaso nos pôs, como às vezes faz

naquele mesmo instante, naquele mesmo ponto

tudo meticulosamente organizado, mas

você estava com pressa, e eu não estava pronto

                                        Sergio Castro Neves

Chá

Cha-no-yu




Tea in the Winter

Staring at you my mind figures

A spread butterfly





Cha-no-yu



Na tarde de inverno

Tomo chá e ao ver-te sonho

Borboleta aberta
                           Sergio C Neves